2 de jan de 2012

Uma lágrima por Platão


Às vezes eu me pergunto se Platão tinha ideia do tamanho da própria genialidade. Provavelmente não, mas isso não importa. Ruim mesmo é a quantidade de pessoas que acabaram por distorcer aquela que pode ter sido sua ideia mais célebre justamente por julgar serem seus profundos conhecedores. Platão jamais teria a dimensão de o quanto isso foi e ainda é ruim para o desenvolvimento do pensamento filosófico como um todo. Melhor para ele, que sem dúvida ficaria muito desapontado com o que vem ocorrendo. Por isso ofereço a ele uma lágrima, a lágrima que ele nunca derramará.


A ideia deturpada em questão é a Metáfora da Caverna


 Há luz no fim do túnel? Talvez sim, talvez não... pergunte ao gato do Schrödinger. 
O mito trata da ilusão, da falsa ralidade a que o ser humano está conectado e na dificuldade de sair dela... fácil de escrever, difícil de entender...

1 de jan de 2012

O vlog que nunca terei



Entre ter um blog ou um vlog... sério, eu prefiro o blog, seja pra escrever ou acompanhar.

Pensei durante algum tempo se não seria melhor fazer esse post em formato de vídeo só por diversão. Mas ficaria ruim por dois motivos: não sou bom para aparecer em imagens gravadas (estáticas ou em movimento) e prefiro escrever, pois me dá mais tempo pra pensar e corrigir palavras. Com a quantidade de frases que eu costumo corrigir, o vídeo só ficaria pronto após o Armagedom maia.

... (pausa)

A internet sofreu e ainda sofre mudanças drásticas desde o surgimento da WEB 2.0, que visa se estabelecer por meio da consciência coletiva formada pelos internautas, permitindo que eles (nós) influenciem, criem e modifiquem seu conteúdo, em vez de deixar essa tarefa aos grandes programadores que fizeram com que ela começasse a engatinhar (WEB 1.0). Um dos efeitos mais importantes dessa mudança foi a chamada aceitação do beta perpétuo, ou seja: na internet, nada é definitivo e tudo pode ser alterado. Outro efeito foi o ideal de reaproveitamento, que redefiniu o conceito de propriedade virtual, permitindo e até incentivando que o conteúdo acrescentado por alguém possa ser reaproveitado por outro alguém, intensificando ainda mais o dinamismo insano de informações. Algumas características da WEB 2.0 se tornaram tão intensas e interligadas que não há como deixá-las de fora do assunto quando este é uma pessoa fazendo um monólogo em vídeo para colocar nas internetz. São essas características o jornalismo crítico, o marketing e a imagem.